Publicado por: Lourival Dias | 09/09/2010

[Reporte de Sessão – 9] Keep on the Shadowfell – Fortaleza no Pendor das Sombras

As escadarias e o piso de alvenaria desapareceram para dar lugar ao que parecia uma caverna natural dentro da masmorra. O teto estava repleto de estalactites e o chão irregular estava cheio de rocha e estalagmites. As pedras e os detritos ficavam mais espessos a leste e a oeste, e ambas as direções apresentavam somente caminhos estreitos desobstruídos.

Como estava tudo escuro Victorius e Yolaws, os magos, bateram seus cajados no chão e uma pequena luz surgiu ápice dos implementos.

Alguns aventureiros perceberam que nas sombras haviam grandes ratos se movendo em todas as direções.

Quando estavam todos na câmara um ataque maciço de ratos gigantes pegou os personagens desprevenidos, mas eles estavam preparados para o que pudesse os atacar naquele lugar.

Eram muitos ratos, mas os aventureiros conseguiram matar a todos. Alguns foram queimados, outros congelados, outros cortados com lâminas que transpassavam seus corpos e outros morreram devido a ataques no seu psicológico.

Vasculhando a câmara alguns dos exploradores perceberam que no centro havia uma parede falsa em um lado de o que seria uma grande coluna, então abriram-na sem maiores dificuldades.

O goblin gordo

Dentro da câmara a surpresa. Dois goblins se escondiam, um deles bastante gordo e outro empunhando uma lança, este parecia proteger o goblin obeso.

O goblin gordo grito:

– Então são vocês que estão invadindo meu covil?!

E saiu em investida contra o guerreiro do grupo, o qual sofrera um grande golpe com a clava que o goblin empunhava.

Depois foi a vez do outro goblin.

Após um curto combate e depois de terem matado o goblin guerreiro, os aventureiros ainda deram uma oportunidade do goblin gordo se entregar, mas este não quis a oferta e ainda falou:

– Nunca me entregarei! Vocês ainda sofrerão a ira de Kalarel!!

E com o golpe do martelo de guerra de Balasar, o senhor da guerra, sua cabeça foi esmagada e o corpo já sem vida do goblin caiu no chão frio da caverna.

Os exploradores vasculharam as possíveis saídas da caverna.

Havia uma porta para oeste e outras duas passagens para o sul, sendo uma mais larga que outra.

Os aventureiros decidiram seguir pela porta.

A porta era dupla e feita de bronze, estava esverdeada pelos séculos e manchada de azul e púrpura, estava coberta por uma grossa camada de fungos. Escrita com algum objeto pontiagudo em Comum, em meio aos fungos, estava a mensagem: “Afaste-se. É sério!”

Mas apesar do aviso os aventureiros abriram a porta.

Escadas cobertas de fungos avançavam para uma caverna natural. A maior parte desta câmara estava inundada com uma poça de água salobra e estagnada. Um caminho de terra erguia-se desta água pútrida no centro da área. Na ilhota, haviam ossos, moedas e outros pequenos objetos que podiam ser vistos no manto de fungos.

Alguns perceberam que pequenas ondas se agitavam por sobre a água, sem nada visível que pudesse ter criado aquele movimento.

De repente, a água pútrida cede espaço para um globo de limo azul. A massa amorfa avança e de seu corpo brotam longos tentáculos que expelem uma gosma nojenta.

Os aventureiros então combateram aquele criatura.

De quando em quando a criatura lançava ácido para todo o lado. Em outro momento um cheiro muito forte e pútrido inundou a câmara deixando alguns dos exploradores pasmos e enfraquecidos.

Este combate durou por bastante tempo, foi uma das poucas vezes que os aventureiros tiveram medo.

Após derrotarem o limo, que se desfez em uma gosma que fora diluída na água, os aventureiros exploraram o local, principalmente a ilhota.

Nela haviam peças de ouro, uma poção de cura, uma armadura de proteção e um porta-mensagem.

Pós pegarem os itens abriram o porta-mensagem, no qual haviam três folhas.

Agatha, a bruxa, encarregou-se de ler as mensagens.

A primeira era um mapa parecido com o que Lorde Padraig havia lhes dado antes de partirem do Abrigo do Inverno.

A segunda mensagem dizia assim:

“Lembre-se, não molhe o nódulo – exceto se Kalarel não for receptivo à oferta. Somente então jogue água no limo, vire se e corra. A água despertará a criatura e ela consumirá tudo ao seu alcance.”

Assim, concluíram que aquela criatura naquela câmara fora vendida por alguém a Kalarel.

A terceira e última mensagem dizia:

“Saudações Kalarel. Descobri recentemente suas atividades na área e tenho uma oferta a fazer. Estamos ansiosos para adquirir quaisquer humanóides que porventura você venha a capturar em sua estada na região. Temos aliados duergar no Pináculo do Trovão que precisam de mais escravos. Se estiver interessado, envie um representante para mim. Meus mensageiros indicarão o caminho. E estava assinada como: “Chefe Krand dos Sangrentos.”

Definiram que aquele devia ser outro local a explorar depois que terminassem as missões naquela masmorra, caso sobrevivessem, claro.

Uma fome muito forte acometeu os aventureiros.

Era a mesma fome que sentimos antes do desjejum.

Assim, eles perceberam que estava amanhecendo, mas ainda assim não quiseram descansar.

Optaram por seguir adiante e tentar acabar o mais cedo ou mais tarde com a possível abertura da fenda sombria.

Resolveram apenas pegar alguns suprimentos que estavam estocados na câmara secreta da sala anterior, onde os dois goblins estavam escondidos, comer e seguir adiante.

Da sala anterior decidiram seguir pelo caminho mais largo ao sul.

Área explorada até o momento pelos personagens

Então, veremos o que irá acontecer na próxima sessão!

Até!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: