Publicado por: Lourival Dias | 27/10/2010

[Reporte de Sessão – 13] Keep on the Shadowfell – Fortaleza no Pendor das Sombras

Os aventureiros entraram na sala. Gadak não queria seguir, queria retornar. Na sala havia uma plataforma erigida que abrigava um único caixão. Entalhado na tampa do caixão, havia um guerreiro de armadura pesada com uma espada sobre o torso, com a ponta desta quase tocando seus pés.

Yolaws vasculhou a sala, mas nada encontrou, apenas sentiu que algo mágico havia ali.

Balasar reconheceu que aquele tipo de túmulo era utilizado para enterrar grandes guerreiros e comandantes de exércitos.

Agatha passou à frente do grupo, indo até o caixão para tentar abri-lo.

Neste momento a tampa pesada do caixão explodiu em uma nuvem de poeira. Um esqueleto humanóide vestido com uma armadura de placas ergueu-se em meio a névoa. Ele empunhava uma espada longa.

“A Fenda jamais deverá ser aberta novamente!” ele gritou. “Digam a que vieram ou preparem-se para morrer!”

Dito essas palavras os aventureiros perceberam que aquele esqueleto só poderia ser amigo e estar do lado deles, então, começaram a conversar com o esqueleto.

O relato que seguiu segue abaixo, nas palavras do próprio esqueleto.

 

“Eu sou Sir Keegan. Eu era o comandante da Fortaleza do Pendor das Sombras. Era meu dever manter o selo da fenda, evitando assim que os poderes profanos de Orcus tentem novamente  assolar o mundo.”

“Eu falhei em meu dever. Permiti que a influência da Greta Sombria e meu conhecimento sobre o império destroçado me desviassem de meu juramento. A corrupção que habita o outro lado da fenda tocou minha alma e desencadeou uma tragédia.”

“A mácula vil de Orcus insinuou-se através da fenda e adentrou meus sonhos. Uma loucura tomou conta de mim. Eu estava possesso! Em minha fúria, tomei de minha espada e assassinei minha esposa e filhos. Depois de ter realizado tal ato, prossegui e assassinei meus capitães, um a um, enquanto todos me olhavam com espanto. Eu havia me transformado em um vilão assassino.”

“Por fim, o alarme foi soado e o que restava da legião se uniu contra mim. Mesmo em minha raiva, percebi que não poderia derrotá-los e então fugi para as catacumbas para me esconder de sua vingança. Só quando a loucura me abandonou, percebi o que havia feito e me desesperei. Eu havia matado o amor de minha vida e desrespeitado meu juramento. E mais: eu havia feito tudo isto com minha espada, Aecris, um símbolo oferecido pelo próprio Rei Elidyr quando eu me tornei cavaleiro. O que restou de minha legião selou a passagem e me aprisionou nesta câmara, que escolhi para passar a eternidade.”

“Eu estou além da redenção. Mas talvez possa ajudá-los. Não posso sair desta cripta, mas Aecris pode. Talvez esta arma elegante, diferente de minha alma, possa ser redimida. Eu a entrego para vocês, de modo que consigam expurgar a Fortaleza do Pendor das Sombras daqueles que tentam reabrir a fenda. Busquem a dádiva de Bahamut no altar do salão adiante e talvez ele também lhes conceda algum auxílio.”

 

Ele ainda deu informações importantes ao grupo de onde encontrar a fenda:

 

“Desçam as grandes escadas, então dobre à direita e depois novamente à direita, sigam até uma sala com uma grande estátua e sigam em frente, vocês estarão muito próximo da fenda. Não deixem que a reabram!”

 

Então os aventureiros seguiram para a câmara das runas e desceram as escadas rumo ao norte.

As escadas terminaram numa câmara iluminada por tochas. Duas criaturas humanóides estavam de pé, ao lado da entrada. Orelhas grandes e pontiagudas emergiam de seus elmos e dentes afiados reluziam em suas bocas. Um dos guardas disse uma frase inquisitiva para vocês: “As sombras procuram as sombras”.

Instintivamente dois dos aventureiros gritaram, como se respondendo àquele hobgoblin:

– Do nosso lado há apenas luz!

– E a luz fulmina!

Os hobgoblins gritaram:

– Intrusos! Ataquem-os!

Então os hobgoblins partiram para o ataque, contra os aventureiros, os quais ficaram acuados entre a entrada da câmara e a escada pela qual desceram.

Durante o combate dois dos hobgoblins fugiram indo para a sala ao norte. Os aventureiros perceberam que na sala à frente havia uma aranha do tamanho de um cavalo, presa por grandes, e os hobgoblins que fugiram do combate estavam tentando libertá-la.

Os aventureiros mataram todos os hobgoblins ali e correram para a câmara à frente, para tentar impedir os hobgoblins de libertar aquele grande aranha.

Quando chegaram na câmara já era tarde de mais e as três criaturas estavam prontas para o combate.

Mapa do 1º nível explorado pelos aventureiros

Mapa do 2º nível explorado até o momento

Vamos esperar pela próxima sessão!

Até!

Anúncios

Responses

  1. Finalmente 2º andar… 13 sessões pra isso :O
    Na sala final houve um TPK no meu grupo…

  2. Poxa…eu nao pude participar….uma pena. Mas quem sabe em breve? Até lá os personagens sentirão uma falta do meu personagem!

    • Pois é Dg, tá mto enrolado? flw!

      • Kra….a vida me enrolou, mas já entreguei o projeto do doutorado. Agora é esperar a vida desenrolar….foi mal.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: